Lipoescultura

Ela reaproveita a gordura em excesso retirada pela lipoaspiração, remodelando nádegas, aumentando o tamanho dos seios, realçando as maças do rosto e suavizando rugas de expressão

Há até pouco tempo conseguir um corpo firme com curvas no lugar certo, livrar-se de flacidez ou gordura localizada só era possível a médio e longo prazo, às custas de meses seguidos de ginástica intensa e regimes severos.

Há cinco anos, a ciência ventilou uma nova maneira de se chegar um pouco mais perto do corpo desejado, sem tanto esforço, com a lipoescultura, uma técnica derivada e assessória da lipoaspiração. Ela consiste no aproveitamento da gordura em excesso que foi retirada pela lipoaspiração, reintroduzindo-a onde ela existe em menor quantidade, redesenhando, assim, as formas do corpo.

Com a redistribuição da gordura a lipoescultura possibilita aumentaro tamanho dos seios, eliminar pequenas rugas ao redor da boca e na região das sobrancelhas, realçar as maçãs do rosto. É possível, também, diminuir ou mesmo acabar com o vão que algumas pessoas tem entre as coxas e até remodelar o bumbum, deixando-o mais cheio e erguido. A duração da cirurgia varia conforme o número de locais a serem redesenhados, mas em geral leva de 30 minutos à duas horas e meia.

Não há perigo de deixar cicatrizes aparentes, já que as incisões tem menos de 0,5 centímetro de diâmetro e são sempre feitas em áreas que possam ficar escondidas. Segundo o cirurgião plástico Paulo Matsudo – membro da Associação Paulista dos Cirurgiões Plásticos e um dos introdutores desta técnica francesa no Brasil – a Lipoescultura não oferece nenhum risco. Ela pode ser feita no próprio consultório e em pessoas de qualquer idade.

Mas ele alerta que os resultados dependem da estrutura do corpo, da qualidade e do estado da pele. As mais elásticas, firmes e bem tratadas têm maior sucesso. “As melhoras são visíveis, mas não se pode fazer milagres”, esclarece o Dr. Matsudo.

“Uma pessoa com muitos depósitos de gordura localizada e pele flácida jamais ficará com o corpo de manequim”. Os efeitos da Lipoescultura são duradouros, desde que a pessoa não emagreça muito. Apenas 30 por cento da gordura injetada é absorvida pelo organismo, o que acontece nos dois primeiros meses após a cirurgia. É por isso que os médicos sempre aplicam um pouco a mais de gordura nos locais a serem esculpidos. Além dos exames pré-operatórios de rotina, como o hemograma e a determinação do tempo de coagulação, é feito um estudo fotográfico para analisar a região, ou regiões, a ser remodelada.

Dependendo do estado emocional da paciente, apenas a anestesia local associada a um relaxante, é suficiente para neutralizar a dor das incisões por onde será aspirada e injetada a gordura. Quatro hora após a cirurgia a pessoa pode ir para a casa, onde deve ficar em repouso por cerca de 48 horas. Nos primeiros dias, o local onde foi injetada a gordura fica sensível e dolorido, mas o desconforto desaparece em uma semana. Durante os três primeiros meses pode haver inchação, mas isso, de acordo com o Dr. Paulo Matsudo é normal. Nesse período não é aconselhável que as pessoas se exponham ao sol, já que a pele estando mais sensível pode ficar manchada.

Fonte: Dr. Paulo Matsudo.